Home

O Niceto Club é a principal casa de shows de médio porte, que recebe bandas alternativas nacionais, regionais e internacionais em Buenos Aires. Tem uma estrutura bem legal, com dois espaços independentes, fica às margens do fervo de Palermo Hollywood e acaba sendo o destino argentino das bandas/artistas das mais distintas coordenadas geográficas que vem fazer tour aqui na região. Já passaram por lá o Balkan Beat Box, o Devendra Banhart, Thurston Moore, Kurt Vile. E do Brasil, Moreno Veloso, Macaco Bong, Lucas Santanna, Thiago Pethit, Criolo, enfim, pra dar uma idéia do conceito.

A primeira vez que fui lá, conferi a festa Zizek Club do selo ZZK Records, bem conhecido no circuito dos sons do terceiro mundo antropófagos, dedicado essencialmente à neocumbia digital (algo como cumbia mesclada com hip hop, dancehall, electro e etc. e tal), que reúne os DJs/bandas Tremor, Villa Diamante, Chancha via Circuito, Frikstailers, o DJ El Remolon. Ah sim, de acordo com uma entrevista que o criador da festa Diego Bulacio – Villa Diamante – deu ao Clarín em 2007, o nome foi mesmo inspirado no intrépido e ansioso filósofo esloveno. O DJ teria encontrado um curioso paralelo entre a proposta de suas experimentações musicais e os textos de Zizek: o mash up de referências, ou ainda o que ele chama de Bastard Pop, um conceito que devo concordar, é bem adequado ao filosofo que estampou as páginas da revista Caras na ocasião de seu casamento com uma ex-modelo argentina. Realmente tem coisas que só a Argentina e Zizek fazem por você…

Mas para além dos shows e das ocasionais Zizek Club e seus mash ups-bastard pop, o Niceto tem uma agenda fixa de festas -como a Club 69  de musica assim eletrônica com uns shows assim meio burlescos – e desde o mês passado, incluiu a essa agenda, o projeto Martes Indiegentes, com curadoria do jornalista Yumber Vera Rojas. Para muito além do indie rock, esse projeto promove bandas independentes de distintos estilos, nacionais e internacionais. O mote é “despide al rock chabón y saluda la fragmentación”. O rock chabón* é um subgênero argentino do rocknroll, bastante particular, e contra-cultural, no sentido de que foi na contramão ao rejeitar a incorporação das principais tendências roqueiras transnacionais dos anos 90 e adotar referências das fronteiras nacionais para adentro. Estava, dessa forma, mais associado a uma estética barrial, futebolêra, popular, e por que não, bem masculina/machista, justo numa década que pluralizava as expressões artísticas com a inclusão mais significativa das garotas nas bandas, ou das bandas só de garotas, bem como de seus discursos. Nesse sentido a proposta indiegente dos martes diz adeus ao conservadorismo, às fronteiras fechadas do antiquado rock chabón.

E ao dizer adeus a tudo isso, o Martes Indiegentes abriu as portas nessa última terça-feira pra sua primeira atração internacional, a banda de tuaregues, os roqueiros bluseiros do deserto: Tinariwen. O som tava assim mais sujinho, mas os cânticos como mantras, as guitarrinhas inspiradíssimas entorpeceram todo público essencialmente hipporonga que se fez presente. Não poderia dizer que todos cantaram junto, mas, claramente, responderam ao “hit” Toumast Tincha, do excelente Emmar, o álbum mais recente da banda. Aliás, que discão esse! Em quatro palavras: as coisas são profundas…

Em aproximadamente uma hora e meia, os quatro cavaleiros do Sahara bancaram uma das noites mais quentes (normal pra eles) e úmidas do ano, mas foram recompensados com casa transbordante de tão lotada e uma celebração típica da cancha (estádio de futebol), de rock chabón (?) “Olê Olê Olê Olê Tina- Ri – Wen…Foi legal esse momento, essa intercessão de propostas.

E a próxima atração internacional não tarda em chegar. Na terça 30 de março, Tricky. A noite ainda conta com CATNAPP – projeto mezzo breakbeat mezzo jungle, mas com batida mais suave, numa atmosfera dark de uma jovencita franzina que se converteu na sensação da música eletrônica local (olha o Martes Indiegente se despedindo de novo do rock chabón…) – e o projeto U-NIKO Dubs

Fechando a programação de março, na próxima terça (feriadão aqui do dia da Memoria, Verdad y Justicia) uma boa amostra do atual indie rock local:

Los Lunes:

http://loslunes.bandcamp.com/

Pels

http://pels.bandcamp.com/album/ugo

Ruben Casco

http://rubencasco.bandcamp.com/album/ofrenda

Então, você, jovem, terça-feira já sabe…

*chabón vem do lunfardo que é um conjunto de gírias porteñas e significa o cara ou o fulano

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s